Makerfox: semdinheiro crowdfunding

Makerfox é uma plataforma de crowdfunding moneyless. Então é um pouco como Kickstarter, mas sem transações monetárias. Ainda há menção de coisas como dólares no site. Felizmente eu pessoalmente conheci Matthias, um dos caras atrás do site no unmonitorio em Matera, Itália. Então, enviei-lhe algumas perguntas para esclarecer algumas coisas.

Matthias é também o criador do EarthOS, um “projeto de conteúdo aberto e em constante evolução, onde coleciono e orquesto projetos abertos de hardware e de código aberto existentes e idéias próprias em um sistema com o qual você poderia gerenciar todos os requisitos materiais e tecnológicos de vida, fornecimento, mobilidade para vestuário, cuidados de saúde para ligação à Internet.

O que é o Makerfox?

Makerfox é uma plataforma baseada em web crowdfunding jovens e mercado que funciona sem dinheiro. Nós nos concentramos em financiar projetos com “benefícios coletivos”, como um código aberto, conteúdo aberto, hardware aberto etc. E em vez de dinheiro, usamos uma forma de troca algorítmica que inventamos e chamamos de “troca de rede”.

Troca de rede?

Troca de rede é uma forma flexível de troca verdadeira. Assim, todo mundo recebe tanto quanto eles dão, em produtos e serviços ao mesmo tempo. Não são necessárias contas com direitos digitalizados (“dinheiro”), pode ser 100 ou mais pessoas em um comércio de trocas, e é isso que torna mais flexível, mais provável de acontecer.

Como você teve esta ideia?

A crise financeira/econômica de 2008 me fez querer corrigir o absurdo da exclusão econômica. Pessoas com necessidades e habilidades para oferecer são excluídas do intercâmbio econômico, o que gera o chamado de desemprego. Só porque o dinheiro não consegue conectá-los com as habilidades e necessidades dos outros, e o dinheiro é a única grande ferramenta que a sociedade usa para isso.

Eu experimentei o problema em primeira mão: no final de 2012 eu era um Freelancer de TI, sem contratos para falar e tinha que vender a maioria dos meus móveis para pagar seguro de saúde alemão obrigatório. [Semdinheiro.org nota: Seguro de saúde alemão é muito complexo, Matthias escreveu um artigo sobre baixas taxas de seguro de saúde para trabalhadores autônomos alemães , há também este artigo em alemão com algumas dicas para lidar com seguro de saúde sem renda na Alemanha]

No começo eu não tinha idéia clara de como eu queria resolver isso, mas sonhava com um aplicativo de smartphone que poderia fazer essas conexões. Com um grande botão verde “Start the Economy”. Por isso, chamei-o de “Economy App” e o inscrevi no primeiro Concurso Europeu de Inovação Social. Quando cheguei às meias-finais, precisava de uma idéia mais clara e, em conjunto com o meu irmão Daniel, inventamos o troco da rede numa discussão de meia hora, na cozinha dos meus pais. Eu conhecia o software de Troca Multilateral Circular da Evgeni e fui inspirado por ele, e o troco de rede é basicamente uma generalização dele que usa arbitragem de troca em forma de gráfico em vez de ciclos puros. Com tudo isso, ganhamos um prêmio na competição: na verdade, foi um financiamento da Comissão Européia, permitindo-nos sentar por um ano e codificar essa plataforma.

Como funciona na prática?

A versão curta: veja o nosso exemplo de comércio, ilustrando uma doação de 100 dólares para um projeto. Ele converte seu telefone, chave inglesa e faca de bolso para um notebook, para o qual o seu projeto suportado tem uso.

Instruções para fazer isso acontecer: você vai para a lista de Projetos Makerfox, onde encontrará um projeto que você gosta e doar um valor em dólar para ele. Em vez de dinheiro, você oferece produtos ou serviços em troca no mercado. (Como, um telefone usado. Vamos lá, todo mundo tem um telefone usado!) Então, apenas espere. Alguém mais vai ordenar o que você oferece, e oferecer o que seu projeto quer. Ou uma configuração muito mais complexa para o mesmo efeito (por exemplo, 100 pessoas em um comércio, como acontece em nossas simulações). O Makerfox irá automaticamente encontrar esse comércio, fazê-lo acontecer e notificá-lo por e-mail. Em seguida, enviar o seu produto ou prestar o seu serviço, dê uma olhada o que seu projeto tem em troca.

Uma vez que este tipo de crowdfunding não precisa de dinheiro, os projetos podem saltar sobre esse passo de perseguir este recurso escasso. Esperamos que a troca de rede fará do crowdfunding uma ferramenta muito mais poderosa e onipresente, e poderia apoiar a economia fabricante (daí o nome).

Isso era sobre o crowdfunding semdinheiro. Além disso, Makerfox inclui um mercado semdinheiro para produtos e serviços, e no futuro poderia incluir microcréditos, investimento, capital de risco. (Apenas não armazenando o valor, mas aquele é um recurso.) Estes usos são para outras plataformas though.

Ah, e esqueci de lhe dizer nosso modelo de sustentabilidade: quando os projetos usam suas doações para comprar bens e serviços através de negócios de troca, e quando alguém compra no mercado de troca, o Makerfox recebe uma comissão de 7% em troca de valor, não em dinheiro.

Quantas pessoas e organizações estão a usá-lo?

Temos 200 pessoas com contas Makerfox agora. De qualquer forma, inventamos o recurso de crowdfunding semdinheiro para superar o problema. Qualquer pessoa com um projeto de infra-financiamento útil pode vir, iniciar uma campanha em makerfox.com e espalhar a palavra. Uma vez que há cinco a dez campanhas desse tipo em paralelo, com as pessoas doando para eles e oferecendo algo em troca, esperamos que as negociações de troca automática começam a acontecer, financiando os projetos sem dinheiro.

 

 

Viver sem dinheiro

Viver sem dinheiro tornou-se mais do que apenas uma experiência, tornou-se, realmente, um estilo de vida que muitos têm explorado, neste link você encontrará exemplos de pessoas que seguem esse estilo.

Para conseguir este estilo de vida, são necessárias muitas mudanças no estilo de vida atual. O resultado será uma vida de menor dependência, diminuição da ansiedade perante os problemas e uma atitude muito mais feliz perante a vida que enfrenta.

Este novo estilo de vida, como referido acima, passa por imensas mudanças, sendo que algumas delas podem ser listadas abaixo. Essas mudanças, numa fase inicial, podem ser comparadas a mudanças radicais e, para alguns, a mudanças impossíveis, mas existem imensas pessoas que adotam este estilo de vida.

Portanto ao adotar esse estilo de vida você ainda aprenderá que é possível viajar sem dinheiro, comer sem dinheiro e viver sem dinheiro.

Ser uma pessoa vivendo sem dinheiro

Viver sem dinheiro vai contra boa parte de nossa compreensão de sucesso e felicidade. No entanto, é uma escolha que tem atraído cada vez mais pessoas.

Além de diminuir o estresse associado com preocupações financeiras, viver sem dinheiro oferece diversos benefícios, como a redução do impacto ambiental e o aumento de sua compreensão e valorização pelo que possui, chegando até mesmo a ajudá-lo a viver uma vida com mais propósito. Mesmo que você decida ser impossível viver completamente sem dinheiro, essa técnica poderá auxiliá-lo a diminuir o desperdício em sua vida.

Muitas vezes por protesto ou  ideologia pessoas de todas as partes do mundo deixam para trás carreira, dinheiro e conforto para viver no que chamam de desapego total de bens materiais.

Quem escolhe viver sem dinheiro ou acaba tendo que viver sem dinheiro (sem escolha) transformasse em uma espécie de missionário na luta contra o consumo de massa e o disperdicio e transforma a solidariedade no motor da vida.

Não faltam exemplos de pessoas  que abriram mão do dinheiro. Basta uma pesquisa na internet para encontrar nomes como o de Mark Boyle ou Heidemarie Schwermer. Immanuel Kant já dizia:

“Não somos ricos pelo que possuimos, mais sim pelo que podemos fazer sem posses”.

Algumas dicas de como viver sem dinheiro

  • Tente diminuir os gastos antes de se comprometer com uma vida sem dinheiro:

Tomar a decisão de viver sem gastar dinheiro é algo transformador, especialmente se você for responsável por outras pessoas. Pode ser útil começar pouco a pouco, passando uma semana ou um mês sem gastar dinheiro, para descobrir se esta vida é para você. Há diversas formas de reduzir os gastos no dia a dia e, mesmo que você não se decida por abandonar o dinheiro completamente.

Se você vive em uma área onde é possível andar ou pedalar até o trabalho, será possível evitar o trânsito e poupar gastos (combustível, pedágios, estacionamento, manutenção do carro) ao preferir um meio de transporte autossustentável. Além do mais, isso será ótimo para melhorar a forma física!

Experimente ficar uma semana sem fazer compras, usando apenas os alimentos atualmente disponíveis na despensa e na geladeira para preparar comida.

Se você gosta de sair em busca de entretenimento, encontre opções gratuitas em sua região. A página de algum jornal local pode ter listas das atividades e dos eventos em sua cidade que não cobram nenhum valor. Além dos livros e da internet, bibliotecas públicas costumam disponibilizar filmes que podem ser assistidos gratuitamente. Sair para caminhar ou passar a noite jogando videogames com amigos ou familiares também é sempre gratuito.

  • Examine as necessidades de você e sua família:

Se você é solteiro, viver sem dinheiro será muito mais fácil do que se tiver uma família. Como se trata de um imenso compromisso, é crucial que as suas necessidades básicas ainda sejam supridas sem dinheiro.

Por exemplo, se você ou um familiar normalmente precisam de cuidados médicos frequentes ou de medicamentos prescritos, viver sem dinheiro talvez não seja uma boa opção para a sua vida. Se você vive em condições climáticas extremas, em um lugar muito quente ou muito frio, pode não ser seguro viver sem qualquer controle de temperatura. Esse ponto é especialmente importante se a sua família inclui crianças pequenas ou pessoas idosas, que estão mais propensas a sofrer com doenças e fatalidades relacionadas ao calor e ao frio.

  • Leia sobre a experiência de outras pessoas:

Quer você queira começar uma vida nômade, como no caso da alemã Heidemarie Schwermer, ou viver completamente distanciado da civilização em uma caverna, como Daniel Suelo, ler a respeito de como tem sido para outros a experiência de viver sem dinheiro pode ajudá-lo a decidir se esse desafio é para você.

O livro The Moneyless Man: A Year of Freeconomic Living (inglês para “O homem sem dinheiro: um ano vivendo economicamente livre”, sem tradução para o português), de Mark Boyle, é um relato em primeira pessoa do que é viver sem dinheiro. O autor também escreveu blogs, um livro chamado The Moneyless Manifesto (inglês para “O manifesto dos dos que não têm dinheiro”, sem tradução para o português) e desenvolveu uma página relacionada à vida em baixo custo chamada de Streetbank.

O livro The Man Who Quit Money (inglês para “O homem que abandonou o dinheiro”, sem tradução para o português), de Mark Sundeen, é uma biografia de Daniel Suelo, um homem que tem vivido sem dinheiro há mais de 14 anos.

O documentário Living Without Money (inglês para “Vivendo sem dinheiro”), de 2012, relata a vida de Heidemarie Schwermer, uma mulher alemã que viveu sem dinheiro.

  • Considere em que você precisa investir:

Há algumas coisas capazes de facilitar a vida sem dinheiro, como hortas de vegetais, placas solares, banheiros de compostagem e poços artesanais, que exigem um investimento inicial. As recompensas financeiras associadas à redução ou à eliminação de quase todas as contas domésticas são consideráveis, mas podem não aparecer da noite para o dia.

Se você vive em uma área urbana e não é dono de sua própria casa, as opções para algumas dessas coisas pode ser reduzida. É importante que você faça pesquisas para descobrir o que é possível em seu caso.

  • Entenda que alguns gastos sempre serão necessários:

Por exemplo, se você precisa de medicamentos prescritos, não deveria apenas parar de gastar dinheiro com eles; consulte um médico antes de cessar o uso de qualquer remédio. Se você não pode ou não quer vender a sua casa, ainda será preciso pagar impostos e taxas associadas para evitar multas ou o despejo do imóvel.

No Brasil, não é obrigatório possuir um seguro de saúde. Dependendo de sua situação, pode ser mais econômico contar com essa cobertura do que pagar por procedimentos médicos avulsos sempre que necessário.

Acomodando-se e vivendo sem dinheiro

  • Viva de forma autônoma:

Encontre ou construa uma casa que funcione à base de energia solar, eólica ou outra fonte renovável. Use um poço artesanal ou um rio local para coletar água. Instale um banheiro de compostagem: ele poupa água, ajuda o ambiente e produz adubo para hortas de vegetais.

Vans residenciais (também chamadas de campers, motorhomes, caravanas ou veículos recreativos) podem ser uma boa opção se você não puder arcar com o preço de uma residência familiar com todas as comodidades necessárias. Além disso, é mais fácil encontrar uma fonte de água tendo uma casa móvel.

Mesmo que você não queira sair de casa ou viver completamente sem dinheiro, produtos como painéis solares e banheiros de compostagem são amigáveis tanto para o orçamento como para o meio ambiente.

  • Mude-se para uma comunidade com valores similares aos seus:

Há muitas comunidades cooperativas com acomodação compartilhada e objetivos e ideais conjuntos. Elas podem ser chamadas de “comunidades intencionais“, “comunas”, “ecovilas” ou “cohousing”. Você pode oferecer serviços ou comida em troca de alojamento e apoio.
Você provavelmente desejará entrar em contato com qualquer comunidade em potencial e visitá-la antes de comprometer-se a viver nela. A vida comunal não é para todos, e é importante que a sua possível casa combine adequadamente com a sua personalidade e os seus valores.

  • Viva na natureza:

Você pode precisar de algum tempo e esforço para desenvolver as habilidades necessárias, mas há diversas oportunidades para se viver longe de alojamentos convencionais. Cavernas e outros abrigos naturais podem ser boas opções.

Entenda que esse estilo de vida é cansativo e exige excelentes saúde e forma física. É improvável que essa seja uma boa opção caso você não tenha uma boa saúde ou tenha filhos ou idosos em sua família. Mude-se para um local com clima mais agradável. Viver na natureza é muito mais fácil sem imensas flutuações de temperatura, chuvas torrenciais ou frio excessivo.

  • Ter hospedagem onde quiser, quando quiser:

Uma das mudanças que terá de fazer é preparar-se para “sentir-se em casa” no mundo! Não terá um local a que chama seu, mas terá todos os locais que lhe forem permitidos. No entanto, ter esses locais não chega, terá que entregar-se ao mesmo e fazê-lo de seu durante o tempo de hospedagem.

Hoje em dia já existem diversos sites na internet que permitem a troca de hospedagem pela execução de serviços. Esta forma tornou-se popular e hoje as hipóteses são imensas! A melhor parte é que não têm sido, apenas, as pessoas a aderirem a estes programas, mas também alguns hostels.

Encontrando e cultivando comida sem gastos

  • Eduque-se a respeito das opções de comida disponíveis:

Se você planeja procurar pelo próprio alimento, encontre um bom guia que informe os tipos de plantas que crescem em sua área e quais delas são comestíveis ou venenosas. Se você deseja cultivá-la, por outro lado, pesquise a respeito dos meios mais eficazes de arar, plantar e cuidar da plantação.

Se houver alguma universidade em sua cidade, procure saber se ela tem uma extensão cooperativa. Esses escritórios costumam oferecer educação comunitária a respeito de diversos temas, incluindo o cultivo e a procura de alimento, sendo geralmente gratuito participar das aulas ou obter informações.

Lembre-se de que plantas crescem em estações. Geralmente, pequenos frutos estão prontos para a colheita no verão, enquanto maçãs e nozes amadurecem no outono. Verduras podem ser cultivadas e colhidas o ano todo. Quer você procure pelo próprio alimento ou o cultive, tê-lo à disposição o ano todo garantirá que a sua dieta seja nutritiva e equilibrada. Temos mais algumas dicas em nosso site.

  • Procure por alimentos silvestres:

Encontrar alimentos que crescem na região é uma forma agradável e ecoamigável de se passar o dia e preparar uma refeição. Mesmo que você viva em uma região urbana, os vizinhos podem ter árvores frutíferas que produzem mais comida do que eles podem usar. Ainda assim, sempre pergunte antes de pegar algo da plantação de outra pessoa.

Evite colher nozes ou plantas que exibam sinais de terem sido parcialmente consumidos por outro animal, pareçam estar quebrados, tenham caído de uma árvore ou, ainda, estejam parcialmente podres (já que provavelmente contêm proliferações bacterianas perigosas).

Evite pegar vegetais ou outras plantas nas proximidades de estradas movimentadas ou locais industriais, onde a poluição de carros ou indústrias possa ter contaminado a fonte alimentar. Em vez disso, procure por alimentos em áreas rurais e menos desenvolvidas, longe do impacto de carros, indústrias ou tecnologias. Jamais coma o que você não pode identificar. Se você não sabe ao certo se algo é perigoso, é melhor evitá-lo.

Em nosso site você encontrara outras dicas sobre alimentação inclusive sobre plantas comestiveis, como e onde encontrá-las e quais podem ser consumidas.

  • Peça a lojas, feiras e restaurantes por restos de comida:

Um grande número de mercearias e restaurantes joga fora a comida indesejada ou excedente, assim como aquela que passou do vencimento, mesmo ainda sendo comestível. Pergunte ao gerente quais são as políticas da empresa com respeito à disposição desses produtos. Você também pode perguntar a vendedores de feiras se têm restos descartados que podem ser úteis para o consumo.

Fique atento a carnes, laticínios e ovos, já que o risco de proliferação bacteriana e doenças alimentícias é maior nesses elementos. Lojas independentes ou familiares talvez sejam mais receptivas do que grandes cadeias alimentares, embora você possa encontrar empresas que dão a comida descartada.

Nesta jornada, está sozinho!

O ponto mais importante é que nesta jornada vai estar sozinho! Este ponto depende um pouco do ponto de vista, pois, de certo modo, tendo dinheiro ou não, está sempre rodeado de pessoas. No entanto, todas as dificuldades serão enfrentadas por si e, vez ou outra, por alguém que, milagrosamente, surgiu na altura certa.

Muitas pessoas passam a vida sem pensar neste ponto de forma profunda, mas enquanto estiver a aderir ao seu novo estilo de vida, irá dar-se conta que a comida que irá ingerir dependerá do seu esforço pessoal. No final do mês não vai entrar o dinheiro na sua conta, portanto não o pode orientar. Terá que orientar o momento. Terá que dar o máximo. E, caso a noite se aproxime e não tenha comida ou alojamento, terá que lutar novamente e nunca baixar os braços.

Esta é a forma mais pura de se viver. E você pode entrar nesta jornada hoje mesmo. Conheça-se como nunca o conheceram! Sinta-se livre como nunca achou ser possível. E torne-se o seu melhor amigo. O companheiro de todas as horas.

Estas mudanças permitem melhorar o estilo de vida e a atitude perante a vida. Também permitem uma maior possibilidade de viajar e, de certo modo, de estar em contacto consigo próprio.

Experimente todas as dicas que temos para oferecer, assim como alguns casos que servem de inspiração, e permita-se viver a vida como esta deve ser vivida!

Documentário: Não me pague

Não me pague (“A vida é muito curta para ser infeliz”) é um retrato de pessoas que seguem seu coração e decidiram viver um estilo de vida alternativo. Pessoas que conscientemente optaram por desconsiderar as prioridades convencionais sobre dinheiro e propriedade de bens.

Pessoas que preferem compartilhar conhecimento, comida, habilidades, casas e tempo e que sentem que estão vivendo uma vida luxuosa sem dinheiro, com alojamento e almoço, arte, banheiros de compostagem, um festival de arte, microcervejaria, catamarãs. Entrei em contato com Piotr Skarbek, roteirista e produtor do Não me pague e fiz algumas perguntas.

Como você teve esta ideia?

A idéia começou quando eu estava viajando pela Ásia e Austrália. Como eu estava viajando com orçamento eu estava procurando maneiras de minimizar minhas despesas. Eu já fui familiar com couchsurfing e com o Helpx e outros Web site como o Workaway. Como resultado, eu fiquei um mês em uma fazenda perto de Brisbane sem gastar um dólar.

As pessoas foram ótimas e eu foi realmente impressionado com a idéia de trocar algumas horas de não tão difícil nem estressante trabalho para uma boa e deliciosa comida. Tendo em mente que eu estava realmente também aprender novas habilidades (construção), aprimorar uma língua vivendo a vida local real e não ter que se preocupar com nada em tudo. Durante a viagem eu estava pensando em um programa de viagem que iria mostrar maneiras diferentes de viajar sem dinheiro ou com apenas um pouco dele. Isso incluiria carona, dumpster diving, couchsurfing, etc.

Depois de voltar para a Polónia eu estava falando sobre a minha experiência helpx e não encontrei nenhum dos meus amigos que realmente sabia sobre ele. E alguns deles realmente gostaria de viajar, mas eles não tinham dinheiro (ou assim eles pensavam). Enfim, depois de falar com meu amigo Rysiek com quem eu queria trabalhar no programa de viagem, decidimos que a experiência de voluntariado/troca valeria a pena fazer um documentário.

Nós acreditamos que muitos de nossos amigos são forçados pelo sentimento que não têm nenhuma alternativa a não ser trabalhar em uma corporação, pagando a hipoteca e sendo consumidos pelo consumismo.

Em que ponto você precisava de dinheiro para realizar o documentário?

Todos nós contribuímos como poderíamos. Temos o carro da esposa de Rysiek, Grzesiek emprestou câmeras, eu estava comprando gás e comida barata para nós. Escrevemos para as pessoas que concordaram e contamos sobre o documentário e que teríamos nossas próprias tendas e comida, mas a maioria deles nos ofereceu grandes quartos e nos alimentou. Por isso, todo o dinheiro que gastamos foi com custos de gas/rodovias .

Quando voltamos, encontramos muitas pessoas nos oferecendo ajuda com transcrição, música, fazendo o site, criando cartazes. Mas havia um problema com encontrar alguém que faria a edição. Foram 2 ou 3 meses de trabalho e as pessoas adorava fazê-lo, mas tinha que pagar aluguel e ter algo para comer. Então, estávamos tentando encontrar empresas que forneceriam um editor potencial com alimentos saudáveis, mas isso não funcionou.

Depois de muitos meses, decidimos fazer crowdfunding. Não ia bem como gostaríamos, mas tïnhamos quase 1000EUR. para começar. O custo usual do editor para tal projeto é em torno de 5000EUR. Portanto, a grana ainda é curta, mas depois de muitas reuniões encontramos uma pessoa que estáva disposta a fazer isso pelo valor que temos, só porque ele gostou do projeto.

Encontramos também um estúdio que irá fazer transferência e sincronizar os materiais como desejado pelo editor. Algumas outras pessoas nos ofereceram para ajudar com a correção de som e cor.

Você acha que um mundo sem dinheiro é possível?

Acho que tudo é possível. O mundo sem dinheiro também. Eu não sei se vai ser um mundo melhor, o mesmo ou pior. O mal está nas pessoas, não no dinheiro. Mas, esquecendo que, um mundo sem dinheiro não vai vir em breve. Depois de alguns milhares de anos com dinheiro, não vai acontecer de repente.

Eu mesmo, eu não tenho essa visão, só imagino pessoas cuidando umas das outras, seguindo seus sonhos, respeitando e amando todos, independentemente de suas origens, cor ou linguagem. Eu adoraria ver um mundo sem guerra, consumismo e autodestruição. Mas tenho certeza de que não vou ver isso.

Nós provavelmente vamos destruir este planeta e nós mesmos. Se você me perguntar se eu acho que o mundo sem dinheiro é possível – eu acho que sim, logo após a raça humana se destrói.

Dontpayme.com
Não me pague no Facebook
Não me pague no Twitter

Descentralização da renda básica: basicincome.co

Recentemente encontrei basicincome.co, uma tentativa de criar uma renda básica através de uma criptocorrência. Atualmente há uma campanha crowdfunding para arrecadar dinheiro para acelerar o projeto. Aqui estão algumas perguntas que fiz ao seu criador Johan Nygren.

O que é Basicincome.co?

Basicincome.co é uma primeira tentativa de fornecer uma rede de segurança descentralizada que pode competir com o estado. Ele usa uma estrutura de incentivo que é exatamente o oposto da cobrança de impostos atual. Um sistema de bem-estar baseado no incentivo do mercado livre.

Você poderia me contar mais sobre toda essa estrutura de incentivos?

Incentivos é o problema difícil. Se a força não é uma opção, como você faz com que as pessoas e as corporações contribuam para a segurança social que oferece uma rede de segurança? O problema não é tão difícil como pode parecer. Para obter alguma perspectiva, pense em como o design centrado no incentivo transformou outras plataformas financeiras nos últimos anos. Pense em crowdfunding. Crowdfunding não é uma ferramenta, mas uma mudança de paradigma que cria um desafio disruptivo e uma nova dimensão para a economia mundial. E, em seguida, existem sistemas semelhantes a Bitcoin, que usam mineradores incentivados para manter a rede. Dana Edwards incluiu uma seção sobre isso em seu whitepaper, veja atração por incentivo ao invés de força coercitiva (protocolo de design centrado em incentivos).

Como você teve esta ideia?

Estudei ciências médicas nos meus 20 anos de idade e refleti muito sobre as teorias de Robert Karasek sobre estresse ocupacional e controle de funcionários. Depois, entrei na filosofia de renda básica e comecei a escrever sobre minhas idéias de renda básica e memética, e como a capacidade de dizer não tem um profundo impacto positivo na qualidade de vida global.

Então, há 2 anos, eu descobri Ripple, uma plataforma financeira open-source com uma API aberta. Isso me capacitou como um criativo porque eu poderia construir em sua plataforma sem ter que passar por um bando de burocratas. Então eu comecei a esboçar o meu conceito de caminhos de dividendos e, em seguida, adicionei a minha idéia de camada de incentivo. Então eu coloquei tudo no gelo por um tempo depois de uma ruptura, e voltei a ele em maio de 2014.

Quando você ouviu falar da renda básica?

Na escola de medicina, há cerca de 5 anos. À medida que eu vinha cada vez mais em contato com a realidade capitalista da vida adulta, não havia nada mais a fazer senão pesquisar um sistema melhor. Durante meus estudos médicos eu vi pacientes o tempo todo que estavam sofrendo de sintomas de luta e fuga relacionados à escassez. E eu nunca entendi por que tinha que ser assim.

O aplicativo descentralizado suporta todos os sistemas de ID on-line e permite que a multidão selecione.

Eu sou um fã de redes de confiança ponto a ponto, e eles estão chegando eventualmente, mas as sociedades mais hierárquicas parecem fazer um bom trabalho em evitar múltiplas identidades e eu posso trabalhar com o que eles oferecem por agora.

Existe uma prova de conceito ou código disponível?

Há uma prova de conceito que inclui a maioria dos recursos. Você pode fazer login com sua conta Ripple em http://connect.basicincome.co/#/, ou olhar para um visual de uma rede ao vivo em http://graph_dev.basicincome.co/. Não é um sistema complicado, a estrutura dele é realmente simples.

Eu tenho todo o código que eu criei no GitHub. O sistema é construído em torno de um banco de dados que armazena toda a rede, incluindo todos os percursos de dividendos e penalidades para a camada de incentivo. Você pode visualizar todos os dados em graph_dev.basicincome.co.

Existe atualmente um fundraiser no Indiegogo, o que você está planejando fazer com o dinheiro?

Meu trabalho é empurrar esta tecnologia e essas idéias lá fora, e competir no mercado. A campanha é a minha primeira tentativa de se tornar uma força comercial, e os apoiadores vão ajudar a crescer a empresa. A empresa será capaz de suportar uma equipe maior de desenvolvedores, e apenas ser muito melhor em criar esta tecnologia.

Aqui está o link para a campanha Indiegogo.

Bem Vindo a Semdinheiro.org – Rico Sem Dinheiro!

Uma popular e curiosa pergunta é se existe possíbilidade de viver sem dinheiro? Ou como viver sem precisar de dinheiro? Em Semdinheiro.org você encontrará as respostas para essas perguntas, além de exemplos inspiradores de pessoas que escolheram viver sem dinheiro, dicas sobre como criar uma existência sem dinheiro e histórias sobre viajar e viver sem dinheiro.

Desde já fique ciente de que viver sem dinheiro não é fácil. Você tem que realmente querer e também desistir de algumas coisas, você vai desistir do conforto e de comprar o que deseja. Em vez disso, viverá outro estilo de vida: um em que você ficará feliz com o que tem, no qual será obrigado a ser mais criativo para satisfazer suas necessidades.

Semdinheiro.org é mais do que isso, temos boas dicas para simplesmente reduzir a dependência de dinheiro, informações sobre dinheiro alternativo, como a moeda Bankless Bitcoin e dicas para viver e viajar com um orçamento muito limitado.

Viagem sem dinheiro

Viajar sem dinheiro não é apenas um sonho, é sim possível. Meu amigo Robino, grande inspiração para Semdinheiro.org, viveu sem dinheiro várias vezes. A primeira vez foi durante uma viagem de três meses em Portugal, ele andava por aí comendo o que as pessoas lhe davam, dormindo em tenda na floresta ou nas casas das pessoas, nesse período caminhou e andou pela costa portuguesa.

Segundo ele, esta experiência foi simplesmente incrível, um verdadeiro abridor de olho para possibilidades de viver sem dinheiro existir. Para obter comida, ele bateu nas portas dos restaurantes pedindo comida gratuita, às vezes na cozinha através da porta dos fundos, outras vezes depois do almoço, para perguntar se havia sobras que ele poderia comer.

Tal viagem sem dinheiro não é apenas uma experiência de aprendizagem por conta própria, é também uma experiência de mudança de vida. Muitas vezes ele foi convidado diretamente a tomar um assento e foi alimentado o suficiente para o dia seguinte. Outras vezes, ele precisava colher frutos diretamente das árvores, ou o tirava de um lixo. A gratidão de Robino pelo que conseguiu foi enorme.

Ele não parou por ai, depois passou mais 3 semanas viajando sem dinheiro na Holanda. Uma viagem de pé de Amesterdão para a fronteira alemã equipado com um pacote pequeno e uma rede.

Assim como meu amigo Robino, é possivel encontrar várias outras histórias bem sucedidas de pessoas que viajam  e vivem sem dinheiro, como Heidemarie Schwermer que deu todos os seus pertences, a fim de fazer um experimento onde ela iria viver sem usar o dinheiro. De forma lenta, mas seguramente conseguiu sair das estruturas existentes e encontrar uma nova forma de viver, livre de preocupações e posses. 

Sociedade sem dinheiro

Viver ou viajar sem dinheiro e adaptar sua vida a isso é um enorme desafio pessoal. Você realmente embarcar em uma exploração por viver desta forma. Mas, como seria se toda a sociedade ou mesmo apenas uma comunidade fosse focada em uma existência Semdinheiro? Dito de forma diferente: um mundo sem dinheiro, como seria? Seria possível?

Esta não é apenas uma pergunta feita pela primeira vez aqui. Muitos filósofos, antropólogos, sociólogos e economistas já fizeram essa pergunta. Muitas vezes é feita referência aos tempos pré-históricos de vida comunal, como as tribos nômades. Mas também o comércio é mencionado, e como o dinheiro se tornou um substituto e como tornou nossas vidas muito mais fácil.

Existem comunidades que são verdadeiros exemplos de como viver sem dinheiro, como:

Semdinheiro.org quer ir além dessa discussão, queremos fornecer maneiras de viver sem dinheiro, com exemplos práticos e dar idéias que vão além do dinheiro. Substituir a economia do dinheiro, a economia do presente, da abundância pelo desenvolvimento de novos laços econômicos sociais que tornam o dinheiro supérfluo.

 

Viajar sem dinheiro

*Numa sociedade predominantemente consumista, a palavra “valor” parece cada vez mais associada a outras como “economia”, “empreendedorismo”, “investimento”, “inovação” e, em especial, “dinheiro”. *

Mas para alimentar os principais valores humanos, que podemos, de imediato, associar ao enriquecimento cultural, podemos inovar sem precisar, necessariamente, de dinheiro. Com alguma criatividade, algo que à partida parece impossível, como viajar sem dinheiro, pode tornar-se realidade.

Como podemos concretizar algo assim? Claro que talvez não seja possível viajar de avião e também é evidente que, pelo menos numa primeira vez em que viaje desta forma, não conseguirá atravessar o mundo. Não se pretende aqui falar do impossível, mas sim apresentar algumas dicas que o poderão ajudar.

Em primeiro lugar, os bens mais essenciais não são materiais. Tem de ter, dentro de si, um espírito de aventura bem vincado, a capacidade de lidar com o inesperado, uma boa flexibilidade para as circunstâncias e, claro, aquela que é uma das nossas maiores capacidades como seres humanos: a capacidade de comunicar. O diálogo é fundamental e será o ponto de partida para conseguir sair de casa sem gastar dinheiro.

Como sabemos, não há mal nenhum em pedir alguma coisa a outras pessoas. Pedir boleia a alguém para algum lado tem o seu lado excitante, claro, mas é algo que também não deve ser feito sem algumas precauções. O instinto é importante, mas não chega.

É importante conversar com alguém que esteja disposto a levar-lo até algum lado, é importante saber que estradas seguirá (estradas principais fazem parte da segurança) e, mais que tudo, é importante que alguém saiba onde está.

Como viajar sem dinheiro

A sua criatividade e os seus dotes comunicativos vão, certamente, ajudá-lo a conseguir muitas coisas sem ter de gastar dinheiro. Mas não pode esperar ter tudo gratuitamente sem poder oferecer nada em troca.

O dinheiro é um modo de transação, certo? Pois, pode substituí-lo oferecendo qualquer um dos seus talentos em troca de viagens, comida e outros serviços? Gosta de escrever? Escreva um poema, uma dedicatória, um elogio a alguém. Gosta de cantar? Quem não fica mais animado em ouvir uma música?

Olhe à sua volta! Não vê gente a precisar de ajuda? Transportar uns sacos, levar o lixo, fazer companhia a alguém, entre tantas outras coisas. Claro que não ajudará com o objetivo de ser remunerado ou de conseguir avançar com a sua viagem gratuitamente. Mas, a curto, médio e longo prazo, vai ver que as suas boas ações o vão libertar e ajudar a conseguir muitos benefícios para as suas viagens gratuitas.

Há todo um novo mundo à nossa volta por descobrir onde o dinheiro não é o protagonista! A nossa criatividade liberta-nos e tudo o que ainda não conhecemos ajuda-nos a crescer e a formar novo conhecimento. As nossas possíveis aventuras ainda só agora estão a começar.

Então, como viajar sem gastar dinheiro

A grande questão deste topico é como viajar sem gastar dinheiro??? Mais não se preocupe o Semdinheiro.org irá dar umas dicas de maneiras para viajar de graça ou gastar muito pouco.

Colocar uma mochila nas costas e cair na estrada em busca de caronas que o levem para os lugares mais incríveis é uma maneira de viajar de graça. Mas não é a única. A tecnologia possibilitou outras formas de conhecer o mundo sem gastar dinheiro.

Hoje é possivel encontrar hospedagem gratuita pela internet ou hospedagem por um valor barato e acessivel. Em outros artigos em nosso site falamos mais sobre esses tipos de hospedagem.

A opção de viajar sem dinheiro deve ser algo que você realmente esteja disposto a fazer  para contradizer o que muitos acreditam em relação ao mesmo. Para demonstrar que é um equívoco enorme associar a renda bancária ao que você está ou não está hábil a realizar.

Algumas dicas de como viajar sem grana

Primeiro grande passo é o desbloqueio de medos pessoais. Pessoas sempre deveriam ser mais valorizadas do que coisas, pois são aqueles que por nossas vidas passam, que nos proporcionam momentos sinceros e inesquecíveis. Seja no dia-a-dia ou numa viagem.

Eu acredito no lado bom das pessoas e que, a partir do momento em que se está aberto ao desconhecido, aberto ao mundo, muito se pode alcançar, de uma forma pura, honesta e sim, livre de interesses materiais. Depois de uma viagem sem dinheiro, você passará a acreditar bastante nesse negócio de energia… o que você atrai para sua vida é o próprio reflexo das suas atitudes perante o próximo. Se faz o bem, o bem vem. Simples assim.

Você deve estar preparado para dormir em casas diferentes e muitas vezes sem conforto, mais em recompensa viverá situações que dinheiro nenhum paga, simplesmente pelo ato de confiar nas pessoas. Deveríamos todos aprender a enfrentar o medo de portas abertas. Afinal, o perigo na grande maioria das vezes é ilusório.

E, se porventura passar por uma situação não tão agradável, acredite: é porque algo espetacular está para acontecer logo logo. Até chegar ao seu destino você pegará muitas caronas, as quais viram cheias de histórias.

No final de sua viagem chegará a conclusão de que isso é viajar! Isso é se deixar viver: confiar. Confiar sobretudo em si próprio... Confiar que sim, você pode ir atrás dos seus sonhos. Você pode viajar.

Se alguma coisa falta para o passo adiante ser dado, essa coisa é coragem. Nada além disso. Não tenha medo do desconhecido, eu estive lá e muitas pessoas também e posso garantir que ele é carregado de bondade e positivas surpresas. Abra suas portas ao mundo e viaje.

Mais informações

Se você quiser ler mais sobre viajando sem grana acesse nosso site, temos varias dicas esperando por você.